sexta-feira, 4 de março de 2016

VIAGEM

Tem dias em que viajo ao interior de mim
na esperança de encontrar a criança que fui.
Dela guardo
memorias,
algumas saudades,
pequenos afectos,
sonhos que nunca foram pele.

Guardo também cicatrizes.
Lágrimas ,
lutas e coragens,
cheiros, poemas, imagens,
tatuagens gravadas na pele
que ao toque recorda
a criança que fui,
a mulher que sou.

E se tivesse seguida outras estradas?
Se o acaso,
o destino
um brilho de olhar,
um sorriso,
uma qualquer pedra no caminho,
me fizesse mudar o curso desta história
tecida a pincel
martelo e cinzel?

Com o barro dos dias
fui construindo a canção
o embalo dos dias,
a janela do coração.

E assim me tornei
maré viva,
turbilhão,
peróla,
gema,
madrugada,
solidão,
beijo,
carícia,
paixão.

Uns dias serena.
Outros dias,
não…


©Graça Costa