sexta-feira, 11 de março de 2016

ENTARDECER

O entardecer insinua-se na mágica languidez dos tons
e nos aromas carregados de esperanças.
Os sentidos envolvem-se numa dança lenta de sons, cores, emoções e calma.
Prenúncio de noite,
envolto na maciez de um beijo ainda morno.
O entardecer insinua-se na perene calma da planície
e beija-me a pele num convite à entrega sem reservas.
Fecho os olhos
e bebo horizonte como quem bebe a vida no trinar do pássaro
que voa para longe,
à procura de um novo entardecer.
Tu habitas por lá...
©Graça Costa