quinta-feira, 9 de novembro de 2017

DEPOIS

Trazia o outono nos cabelos
e um prado de erva fresca no olhar...

Caminhava como se trouxesse o luar nos pés,
iluminando o caminho
e semeando sorrisos.

O corpo nu,
convidava ao deleite de noites de verão
embaladas por brisa suave
e choro de guitarras.

Entreguei-me ao entardecer,
como se pudesse parar o tempo
e sussurrei o teu nome ao vento.

Foi então que chegaste
e me cobriste o corpo de beijos
com a fome dos dias longos
e das noites por inventar.

Dei-me de novo
como da primeira vez,
sem medos nem dúvidas,
toda alma,
todo corpo,
toda luz.

Depois da explosão dos nossos corpos em chama,
enrolei-me no teu corpo de mel
e deixei o sono levar-me
até ao mundo dos sonhos e das memórias.

Sereno o sono depois do amor...

©Graça Costa
imagem da web




 

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

SONHAR

Quantas vezes digo a mim mesma:
Voa…
Voa mais alto,
ousa,
perde-te na imensidão do azul.
Conquista a lua
apenas com o desejo de querer abraça-la.

Faz pulseiras de pérolas com lágrimas,
colares com suspiros,
nuvens com solidão,
bailados com pétalas de estrelas
paraísos para o coração.

Sonhar é isto…
mais alto,
mais longe,
mais forte,
sozinha ou pela tua mão.

É ter a ternura na ponta dos dedos.
É colocar o Sentir a galope,
num puro sangue lusitano;
é levar a imaginação para a vastidão do mar,
e usá-lo como tela
para reescrever a história.

No fim,
talvez a história não seja de encantar…

Mas o que é que isso importa,
se o importante mesmo
é a ousadia do Sonho

©Graça Costa
 
 

terça-feira, 7 de novembro de 2017

MELANCOLIA

O mar dos olhos transbordou
mas não eram lágrimas que lhe escorriam pela pele.

Cada gota vertia afectos à tanto guardados em cama de orvalho e mel.

Talvez por isso o seu choro não fosse pranto
mas antes chuva de embalo,
suave e melancólico como brisa na seara.

O mar dos olhos transbordou mas ela sorriu.

Sorriu com um sorriso tão doce
como beijo roubado na penumbra do sentir.

Sentiu a maré vir ao seu encontro
e recebeu-a com silêncio de amantes em espera.

Saboreou-a…
e com ela alimentou a alma naquele dia.

©Graça Costa


 

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

CAVALGANDO O DIA

Hoje o dia acordou com o sol na voz,
o esplendor dos aromas primaveris
e a ousadia de promessas por cumprir.
 
Serviu-me gomos de magia
envoltos em aromas febris,
despertando-me a fome de ter
a tua pele na minha pele.

Cavalguei o dia e voei com ele
sacudindo o medo e a amargura das horas que passo sem ti.

Não sei o que fazer a esta urgência de amar
a este doce recordar
sem nome nem idade
mas a que chamo saudade.

A tarde vai caindo
terna e sonolenta como um abraço.
Observo-a com o brilho nos olhos
para iluminar a noite
e o caminho que te traga até mim.

Vem…
temos promessas por cumprir…

© Graça Costa
imagem da web

 

terça-feira, 31 de outubro de 2017

AMAR

Profético,
o sopro poderoso da fome
serpenteia-me o corpo envolto na bruma,
lacónico,
esfíngico,
quase prece
quase súplica.


Numa emergência de afectos por saciar,
procuro no teu olhar
a promessa da abundância
neste meu corpo feito terra lavrada.

Profético,
o Inverno de sementeiras
feitas pela tua mão.

Profética,
a linguagem universal do Amor,
quando arrancada das profundezas do SER.

Esteio do caos
perante o esplendor da vida
que começa a chegar ao amanhã.

© Graça Costa
tela de Federico Bebber





 

FREEDOM

 
 
 
 
 
 

REENCONTRO

Hoje lancei as mágoas
ao vento que passava por perto.

Fechei a porta.
Mergulhei no silêncio em busca de mim,
sabendo que me encontraria
nos pedaços de ti
que tenho guardados no peito.

Bebi o aroma da tua pele,
lavei a alma com memorias do teu olhar,
saciei-me no teu corpo imaginado
e deixei que a serenidade dos afectos
me envolvesse a pele
em chama lenta,
como lentos os teus beijos,
quais arrepios de morte com sorriso nos lábios.

Hoje lancei as mágoas
ao vento que passava por perto.

Vesti-me de brisa,
e no encantamento da noite deixei-me voar
em direcção ao teu abraço.

©Graça Costa
imagem da web

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

GUERREIRA

Cai a noite e tudo se transforma.
A guerreira vira pássaro,
flor,
princesa, ou arlequim,
misto de flor e de seda,
azul, prateada, carmim.

Bendita a cumplicidade da noite que tudo permite.
Sonho,
fantasia, dança,
brisa, sal, maresia, festim.

Do descanso da guerreira
agora lua, feiticeira, amante,
emerge a magia da palavra dita apenas com o olhar;
o convite da chama que arde sem se notar.

E o imprevisto acontece,
como acontece o Amor em dias incertos.

Doce a noite em que me deito
com o cansaço na pele e a ternura na voz.

Efémera noite, eu sei…
mas tão cheia de sonhos por cumprir.

A ela me entrego
com a nudez mais terna
e faço do seu abraço ,
uma homenagem ao dia que promete.


©Graça Costa
imagem da Web

 

terça-feira, 17 de outubro de 2017

NASCEU

Nos dias seguintes algumas pessoas conseguem fazer balanços.
Eu não. 

Hoje permito-me ser um bocadinho egoísta e reviver, saborear , filtrar e adoçar, ainda mais, tudo o que vivi ontem. É que vocês podem não ter total noção, mas o que vivi ontem, não se explica por palavras - pelo menos por enquanto. 

Nalguns comentários que fiz ao dia de ontem e aos Parabéns e desejos de sucesso que generosamente me foram enviando, fui partilhando o meu sentir.

Hoje, apenas 72 horas depois de um dia profundamente emotivo, apenas consigo dizer-vos - OBRIGADA e mais alguns pequenos nadas.

Desde que o lançamento do livro passou a ser uma realidade e organizá-lo, uma preocupação, a única coisa que me perpassava a mente era : que fosse bonito, que convidasse ao Sonho, que tivesse Luz, que fosse Partilha e Emoção, que envolvesse quem nele quisesse participar, numa aura quase mágica de Paz e Ternura.


Demasiado ambicioso, talvez, admito, mas era isso que o meu coração pedia e modestamente, acho que conseguimos, eu e vocês.


Uma gratidão enorme a todos os que estiveram comigo e ao Município de Tomar pela cedência do espaço pleno de magia e história onde tive o privilégio de lançar este livro / filho de palavras feito.
Espalhei "Fragmentos" e sinto-me hoje mais inteira que nunca - só pode ser magia.


" Há dias que ficam na história da história da gente"...e este ficou, na minha.


Graça





SOU


No amanhecer que desponta,

sou pássaro livre

sou fonte

sorriso aberto

espuma do vento.

Sou tudo isso

e o que mais queiras.

Por ti acordo

contigo me deito,

desejo na pele

ternura no olhar.

No amanhecer que desponta

navego serena como espuma do mar

e na fluidez dos sentidos

deixo-me enamorar pela maresia dos teus dedos na minha pele.

Fecho os olhos e nela sinto o teu toque.

Deleite dos fins de tarde

em que flutuamos rumo ao anoitecer

que por ora apenas é sonho.

Ferve-me a pele e sorrio…

Antecipação do prazer

numa manhã de primavera.

 
©Graça Costa
imagem da web