quinta-feira, 9 de novembro de 2017

DEPOIS

Trazia o outono nos cabelos
e um prado de erva fresca no olhar...

Caminhava como se trouxesse o luar nos pés,
iluminando o caminho
e semeando sorrisos.

O corpo nu,
convidava ao deleite de noites de verão
embaladas por brisa suave
e choro de guitarras.

Entreguei-me ao entardecer,
como se pudesse parar o tempo
e sussurrei o teu nome ao vento.

Foi então que chegaste
e me cobriste o corpo de beijos
com a fome dos dias longos
e das noites por inventar.

Dei-me de novo
como da primeira vez,
sem medos nem dúvidas,
toda alma,
todo corpo,
toda luz.

Depois da explosão dos nossos corpos em chama,
enrolei-me no teu corpo de mel
e deixei o sono levar-me
até ao mundo dos sonhos e das memórias.

Sereno o sono depois do amor...

©Graça Costa
imagem da web




 

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

SONHAR

Quantas vezes digo a mim mesma:
Voa…
Voa mais alto,
ousa,
perde-te na imensidão do azul.
Conquista a lua
apenas com o desejo de querer abraça-la.

Faz pulseiras de pérolas com lágrimas,
colares com suspiros,
nuvens com solidão,
bailados com pétalas de estrelas
paraísos para o coração.

Sonhar é isto…
mais alto,
mais longe,
mais forte,
sozinha ou pela tua mão.

É ter a ternura na ponta dos dedos.
É colocar o Sentir a galope,
num puro sangue lusitano;
é levar a imaginação para a vastidão do mar,
e usá-lo como tela
para reescrever a história.

No fim,
talvez a história não seja de encantar…

Mas o que é que isso importa,
se o importante mesmo
é a ousadia do Sonho

©Graça Costa
 
 

terça-feira, 7 de novembro de 2017

MELANCOLIA

O mar dos olhos transbordou
mas não eram lágrimas que lhe escorriam pela pele.

Cada gota vertia afectos à tanto guardados em cama de orvalho e mel.

Talvez por isso o seu choro não fosse pranto
mas antes chuva de embalo,
suave e melancólico como brisa na seara.

O mar dos olhos transbordou mas ela sorriu.

Sorriu com um sorriso tão doce
como beijo roubado na penumbra do sentir.

Sentiu a maré vir ao seu encontro
e recebeu-a com silêncio de amantes em espera.

Saboreou-a…
e com ela alimentou a alma naquele dia.

©Graça Costa


 

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

CAVALGANDO O DIA

Hoje o dia acordou com o sol na voz,
o esplendor dos aromas primaveris
e a ousadia de promessas por cumprir.
 
Serviu-me gomos de magia
envoltos em aromas febris,
despertando-me a fome de ter
a tua pele na minha pele.

Cavalguei o dia e voei com ele
sacudindo o medo e a amargura das horas que passo sem ti.

Não sei o que fazer a esta urgência de amar
a este doce recordar
sem nome nem idade
mas a que chamo saudade.

A tarde vai caindo
terna e sonolenta como um abraço.
Observo-a com o brilho nos olhos
para iluminar a noite
e o caminho que te traga até mim.

Vem…
temos promessas por cumprir…

© Graça Costa
imagem da web

 

terça-feira, 31 de outubro de 2017

AMAR

Profético,
o sopro poderoso da fome
serpenteia-me o corpo envolto na bruma,
lacónico,
esfíngico,
quase prece
quase súplica.


Numa emergência de afectos por saciar,
procuro no teu olhar
a promessa da abundância
neste meu corpo feito terra lavrada.

Profético,
o Inverno de sementeiras
feitas pela tua mão.

Profética,
a linguagem universal do Amor,
quando arrancada das profundezas do SER.

Esteio do caos
perante o esplendor da vida
que começa a chegar ao amanhã.

© Graça Costa
tela de Federico Bebber





 

FREEDOM

 
 
 
 
 
 

REENCONTRO

Hoje lancei as mágoas
ao vento que passava por perto.

Fechei a porta.
Mergulhei no silêncio em busca de mim,
sabendo que me encontraria
nos pedaços de ti
que tenho guardados no peito.

Bebi o aroma da tua pele,
lavei a alma com memorias do teu olhar,
saciei-me no teu corpo imaginado
e deixei que a serenidade dos afectos
me envolvesse a pele
em chama lenta,
como lentos os teus beijos,
quais arrepios de morte com sorriso nos lábios.

Hoje lancei as mágoas
ao vento que passava por perto.

Vesti-me de brisa,
e no encantamento da noite deixei-me voar
em direcção ao teu abraço.

©Graça Costa
imagem da web

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

GUERREIRA

Cai a noite e tudo se transforma.
A guerreira vira pássaro,
flor,
princesa, ou arlequim,
misto de flor e de seda,
azul, prateada, carmim.

Bendita a cumplicidade da noite que tudo permite.
Sonho,
fantasia, dança,
brisa, sal, maresia, festim.

Do descanso da guerreira
agora lua, feiticeira, amante,
emerge a magia da palavra dita apenas com o olhar;
o convite da chama que arde sem se notar.

E o imprevisto acontece,
como acontece o Amor em dias incertos.

Doce a noite em que me deito
com o cansaço na pele e a ternura na voz.

Efémera noite, eu sei…
mas tão cheia de sonhos por cumprir.

A ela me entrego
com a nudez mais terna
e faço do seu abraço ,
uma homenagem ao dia que promete.


©Graça Costa
imagem da Web

 

terça-feira, 17 de outubro de 2017

NASCEU

Nos dias seguintes algumas pessoas conseguem fazer balanços.
Eu não. 

Hoje permito-me ser um bocadinho egoísta e reviver, saborear , filtrar e adoçar, ainda mais, tudo o que vivi ontem. É que vocês podem não ter total noção, mas o que vivi ontem, não se explica por palavras - pelo menos por enquanto. 

Nalguns comentários que fiz ao dia de ontem e aos Parabéns e desejos de sucesso que generosamente me foram enviando, fui partilhando o meu sentir.

Hoje, apenas 72 horas depois de um dia profundamente emotivo, apenas consigo dizer-vos - OBRIGADA e mais alguns pequenos nadas.

Desde que o lançamento do livro passou a ser uma realidade e organizá-lo, uma preocupação, a única coisa que me perpassava a mente era : que fosse bonito, que convidasse ao Sonho, que tivesse Luz, que fosse Partilha e Emoção, que envolvesse quem nele quisesse participar, numa aura quase mágica de Paz e Ternura.


Demasiado ambicioso, talvez, admito, mas era isso que o meu coração pedia e modestamente, acho que conseguimos, eu e vocês.


Uma gratidão enorme a todos os que estiveram comigo e ao Município de Tomar pela cedência do espaço pleno de magia e história onde tive o privilégio de lançar este livro / filho de palavras feito.
Espalhei "Fragmentos" e sinto-me hoje mais inteira que nunca - só pode ser magia.


" Há dias que ficam na história da história da gente"...e este ficou, na minha.


Graça





SOU


No amanhecer que desponta,

sou pássaro livre

sou fonte

sorriso aberto

espuma do vento.

Sou tudo isso

e o que mais queiras.

Por ti acordo

contigo me deito,

desejo na pele

ternura no olhar.

No amanhecer que desponta

navego serena como espuma do mar

e na fluidez dos sentidos

deixo-me enamorar pela maresia dos teus dedos na minha pele.

Fecho os olhos e nela sinto o teu toque.

Deleite dos fins de tarde

em que flutuamos rumo ao anoitecer

que por ora apenas é sonho.

Ferve-me a pele e sorrio…

Antecipação do prazer

numa manhã de primavera.

 
©Graça Costa
imagem da web
 
 

 


 

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

ALMA

Tem dias em que pergunto às estrelas
qual a cor da Alma,
qual a sua textura,
o cheiro,
o semblante,
o matiz ?
Imagino-a conforme o sabor dos dias.
Leve ou sombria,
doce ou matizada pelas especiarias do tempo.
No espelho do fim da tarde
contemplo o seu voar,
sinto-a a amarar no peito.
Limpo-a das amarguras e dores,
cubro-a com os cristais estrelados da noite,
embalo-a com carinho de mãe
e com pinceladas fortes, mas serenas,
estendo-lhe o sono
como presente de paz.
©Graça Costa


domingo, 1 de outubro de 2017

SE UM DIA

Se um dia eu for mar
embrulho o teu olhar numa onda
para te ter sempre no peito.

Se um dia eu for lago,
que o teu corpo fique sedento
e mergulhes por mim dentro
até te saciares.

Se um dia eu for chuva
presa numa nuvem de papel,
peço ao olhar lágrimas doces
para que as bebas ao anoitecer.

Mas se um dia eu for palavra,
peço que os teus dedos sejam as letras
com que se escreve a paixão.

Aí , misturo tudo
saudade,
ternura,
desejo,
loucura,
a com toda a certeza
um dia serei ...
Amor.

©Graça Costa



MY BODY

My body,
white page in your hands,
kiss to uncertain lips,
sometimes gentle,
sometimes urgent.

My body,
of a sweet texture,
cotton,
linen,
satin,
challenge I offer you,
fully,
for you to lose
and find yourself.

My body,
yours,
for you to enjoy,
to flavour,
to feed you,
and feed me.

Indulge my hunger of needing you,
and bind on my skin,
the urgency of new beginnings

© Graça Costa
imagem da web

PAZ

Dá-me a tua mão
Sente-lhe a textura
o calor,
o aroma e a ternura do abraço.
Depois vamos.
Deixa que te leve
para além dos sentidos
para lá da saudade.
Deixa que te leve
para aquele lugar calmo
onde a dor não nasce
e o amor não morre.
Para aquele lugar terno
onde o corpo não tem nome
e o afecto tem forma de dedos,
de ternura,
e beijos
e pele em chamas.
Depois…
Depois fiquemos assim,
na magia do entardecer,
lambendo as palavras com que nos despimos,
e que estas cubram o horizonte
com a magia da esperança,
como sonhos de paz
embrulhados em sono de criança.

©Graça Costa


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

DA MINHA ESSÊNCIA

Energia e matéria

harmonia de contrários
luz …terra
vento…mar
fogo…maresia.


Assim me sinto
na soma do tempo que passa.

Errante,
na candura dos sonhos.
Guerreira,
na tempestade dos dias.


Vivo no equilíbrio perene
do conceito e do verbo;
do pronome e do advérbio.


No desafio da descoberta,
enfrento o eterno talvez,
o complexo Se…
o carinho,
a paixão,
a emoção da dádiva,
o desabrochar do coração.


Nele me reencontro,
e com ele me reinvento
fugitiva de mim
presa no Ser que sou...
essência,
magia,
doçura,
pó …



©Graça Costa



domingo, 17 de setembro de 2017

OS RIOS DO MEU CORPO

No meu corpo correm rios de afetos partilhados
e outros ainda por desbravar.

Nas suas margens, nenúfares e chorões
abraços e canções,
melodias de outono sereno
estendendo os braços ao por do sol
refletido na placidez das águas.

Nelas, correm também rios de dor
na sua lenta caminhada até ao afluente do rosto.

Aí …desaguam,
transbordam,
rebentam comportas que ninguém vê e só tu sentes,
ecoando no silêncio surdo e melancólico do olhar.

Alguns tornam-se riachos e acabam por secar.
Outros agigantam-se e levam-te na torrente.

Nesses dias o corpo deixa de ser corpo
e passa a ser maré viva,
vento norte
tempestade,
luta,
desespero,
naufrágio.

Assim é a vida
e os corpos que nela vivem.
Nuns dias sol,
noutros trovoada.

Por vezes amor, ternura, paixão.
Outras vezes,
vazio,
quase nada,
ilusão.

Meu corpo,
meu rio…
serpenteando nas veredas do sentir
até ao mar dos teus olhos


©Graça Costa
imagem da web


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

PEDAÇOS D'ALMA

Olho-me no espelho e vejo o cansaço, a dor, o desalento.

No corpo, as cicatrizes,
os sinais da luta inglória e insane,
em busca de um melhor amanhã que tarda em chegar.


Procuro no olhar, a esperança,
nas mãos estendidas, o recado silencioso,
o resgate de um abraço,
alimento para o dia que começa.
Assim me visto de crepúsculo e chama,
de candura e lama
de ousadia, fome e fantasia.


Oleira de mim,
construo o que as mãos permitem
e a pele aceita
sabendo que a obra visível
e a sonhada, sentida,
raramente são comparáveis.


Aquilo que para uns será sol,
para outros será nevoeiro, vento e maresia.

Vejo-me a cores, a grafitte ou a pastel.
Como me vêm os outros?
Não sei…
Não sei se quero saber.

Sou como sou...
Ainda que ferida, 
guardo a beleza da dor
e o esplendor da dádiva,

ofereço a candura do abraço
e a plenitude do ser.

Assim sou…
Inteira,
porque não sei ser de outro modo.

Assim me dou...
A quem tiver Alma para me sentir.

©Graça Costa



 

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

QUIETLY

Quietly
by the paths of illusion you took me.

Of lightness dressed.
I danced with the breeze.
Among the water lilies and foliage I floated,
as in calm afternoon breeze.

Quietly
I reinvented the magic of rebirth
at every step,
every look,
every kiss,
every moonlight.

Touch me, love ...
and cover my body with your lips of amazement.

Let the hunger for affection
become autumnal melody
and lets make from the dance of bodies
boldness,
tenderness,
passion
unnamed follies
new life,
exhaustion.

After ...
may sleep come to take care of our dreams...
Quietly...


©Graça Costa
photo: me...

 

COMO NO POEMA


Beijo-te no poema,

onde as palavras perfumam carícias,

onde posso sou espuma ou brisa,

ou espanto,

ou medo,

e porque sei que estás aí

para abraçar a minha alma inquieta.

 

Beijo-te no poema e na carne,

na candura das palavras,

e na pele em brasa,

na loucura dos afectos

e na quietude da tarde.

 

Beijo-te no poema e nos sentidos,

porque no beijo te encontro,

todo entrega,

todo ternura,

todo em mim,

e no beijo te soletro

a ti,

parte de mim

embrulhada em letras.

 

©Graça Costa
imagem da web
 
 

 

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

MELANCOLIA DOS DIAS

Na melancolia das palavras
desenho o horizonte
de um futuro ainda por inventar.

Num golpe de asa,
entre sorrisos, lágrimas, abraços e porquês,
caminho com o sol na ponta dos pés
a brisa na pele,
sonhos no olhar
e um coração imenso,
aberto ao mar dos afetos.

Até lá...
vivo tacteando o medo
moldando a dor
mordendo a esperança de te ter
e,
em cada ruga,
em cada beijo,
em cada lágrima,
sinto-me crescer
por entre os fragmentos do dia.

©Graça Costa
imagem da web

 

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

PINCELADAS DE AGOSTO

Trago na pele
pinceladas de Agosto
tatuadas pelos teus dedos .

Na boca,
o sabor a Maio
e paisagens de Outono a dançar-me nos olhos.

Moldados pela brisa
passeiam-me pela face
sorrisos rasgado de memórias.

Dos sonhos com travo a canela,
guardo a textura dos dias passados enleada nos teus braços,
quando o futuro era uma tela em branco
e a vida,
um diálogo sem palavras de corpos cansados.

Trago na pele pinceladas de Agosto,
carregadas de ternura e melodias de água fresca.

Bagagem doce num jardim sem tempo.
Brisa serena na trova do vento que passa.


©Graça Costa



 

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

SOU DE UM LUGAR DIFERENTE


Sou de um lugar diferente.

Não sei dizer onde fica

nem sei dizer o seu nome.

Sei apenas que não sou daqui.

 

Tenho na pele

afectos que não conheço

e no olhar a gratidão

de olhos que ainda não vi.

 

Sou de um lugar diferente.

Não sei se melhor, mas diferente.

De um lugar

onde o amor tem voz

e a saudade não mente,

onde as portas do carinho têm dedos

aveludados com brisa de verão,

doces como beijos ao entardecer.

 

Sou de um lugar diferente

mas não sei como lá chegar.

Por isso o construo de raiz

poro a poro

lágrima a lágrima

toque a toque

e te convido a entrar.

 

Sou de um lugar diferente…

de gente com coração dentro.

 

©Graça Costa
 
 

 

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

ONDE A SOLIDÃO TERMINA

Deixaste-me na boca um sabor a espanto,

e na pele a súplica do desejo inacabado,
a fome de mais,
que o dia levou.

Deixaste-me no olhar um sopro de maré viva,
uma tempestade de afectos incontidos
clamando pela noite,
ou apenas pelo som dos teus passos na escuridão.

O dia passa,
lento e soturno
mas dentro de mim bate o sol.

Com lábios de silêncio
e o paraíso no olhar,
deixo o fogo envolver-me
na espera do tanto que te quero.

No horizonte o dia cai,
deixando no ar promessas guardadas
do ontem que não chegou a ser.

Espero-te,
para que me abraces onde a solidão termina,
e me envolvas no rendilhado dos dias sonhados
antes do amanhecer.


©Graça Costa
imagem : Jagannath Paul

















quinta-feira, 17 de agosto de 2017

OS RIOS DO MEU CORPO

No meu corpo correm rios de afetos partilhados
e outros ainda por desbravar.

Nas suas margens, nenúfares e chorões
abraços e canções,
melodias de outono sereno
estendendo os braços ao por do sol
refletido na placidez das águas.

Nelas, correm também rios de dor
na sua lenta caminhada até ao afluente do rosto.

Aí …desaguam,
transbordam,
rebentam comportas que ninguém vê e só tu sentes,
ecoando no silêncio surdo e melancólico do olhar.

Alguns tornam-se riachos e acabam por secar.
Outros agigantam-se e levam-te na torrente.

Nesses dias o corpo deixa de ser corpo
e passa a ser maré viva,
vento norte
tempestade,
luta,
desespero,
naufrágio.

Assim é a vida
e os corpos que nela vivem.
Nuns dias sol,
noutros trovoada.

Por vezes amor, ternura, paixão.
Outras vezes,
vazio,
quase nada,
ilusão.

Meu corpo,
meu rio…
serpenteando nas veredas do sentir
até ao mar dos teus olhos


©Graça Costa
imagem da web



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

TELL ME


Tell me how to bear
the absence of what I didn't have, but already felt?
 
How to silence the bruised skin pain
of another sunset without you?
 
Tell me that yesterday was mirage
and tomorrow will be courage.
 
Tell me fear has no color
and luck has no hurry.
 
Tell me that you will come
that I'll wait
In the curve of the afternoon,
or on the edge of dawn
where do you choose
wherever you want me
I'll wait.
 
Tell me …
and I'll leave the words
crumble on a soft gasp,
In a slight sob
like wave kissing the sand,
and I will stay there
until the turn of the tide
bring your fingers
to my skin.
 

© Graça Costa
 
 

QUE SAUDADE É ESTA ?

Olho os pingos da chuva
como se flocos de saudade fossem
leves e calmos
quase subtis por vezes,
outras, frios e agrestes
como pancadas de morte.

Olho e não vejo
mas intuo
sinto,
sinto muito,
sinto forte esta dor
furiosa como tempestade
ou terna como lençol de maresia.

Que saudade é esta
na pele gravada?

Que dor é esta
que o tempo não lava
e a vida não esquece?

Olho os pingos da chuva,
perdida no tempo do tempo que passa,
revisito os dias
em que o teu assobio malandro
ressoava no horizonte,
recordo o aroma do beijo,
a ternura do afago
e o cansaço no olhar
quando foi tarde demais
para ti,
para nós,
para ficares.

Olhando os pingos da chuva
reparo que a chuva que sinto
é dentro de mim.

Chamo-lhe Saudade
porque não sei dar-lhe outro nome
em mais um dia que passo sem ti.
Pai...

© Graça Costa 

O meu pai faria hoje 81 anos, se fosse vivo - faleceu em 1999 com 62 anos.
Esta é a minha forma de conversar com ele, hoje, no dia de seu nome...


                        



terça-feira, 15 de agosto de 2017

ESPERANDO POR TI

Vestida lua e de espanto esperei por ti.

De sentidos e emoções em riste,
esperei que o vento te trouxesse ate mim
e a maresia fosse o timbre do amor na tua voz.

Envolta em sonhos e sussurros imaginados,
senti o arrepio da pele,
o brilho do olhar,
o sorriso a insinuar-se no rosto
tão cheio de expetativas quanto de enganos.

No entanto…esperei,
presa naquele fragmento de paraíso só meu,
que só tu sentes,
só tu vês,
só tu consegues tornar teu
apenas com a forma como me olhas.

Por ti espero,
neste dossel de noites eternas
embriagado de afectos,
onde a alma ganha voz
como um fado  gemido em êxtase e lamento.

Instantes de magia,
servidos em taças de ternura ;
fusão de pele,
melodias de outono tocadas a quatro mãos.


©Graça Costa
imagem da web






segunda-feira, 7 de agosto de 2017

SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO

De papoilas e trigo vestida
surgiu no horizonte.

Trazia colada na pele
a brisa dourada de um campo alentejano
e parecia flutuar,
valsando numa nota só.

Aproximou-se…
trazia consigo
o aroma de pão acabado de cozer,
despertando a fome de um final de dia
na soleira do luar.

Ele viu-a,
mas não sabia se ousava, ou calava.
Encheu o peito com aquela visão
até o respirar se tornar doloroso.

Sentiu-se sufocar
e no desespero acordou…

Aos pés
encontrou grãos de trigo displicentemente espalhados pela cama.
Junto aos lábios
uma papoila carmim,
viçosa como beijo de amantes.

Sorriu…
e voltou a adormecer
esperando a noite que prometia.


©Graça Costa
imagem da web