quinta-feira, 17 de agosto de 2017

OS RIOS DO MEU CORPO

No meu corpo correm rios de afetos partilhados
e outros ainda por desbravar.

Nas suas margens, nenúfares e chorões
abraços e canções,
melodias de outono sereno
estendendo os braços ao por do sol
refletido na placidez das águas.

Nelas, correm também rios de dor
na sua lenta caminhada até ao afluente do rosto.

Aí …desaguam,
transbordam,
rebentam comportas que ninguém vê e só tu sentes,
ecoando no silêncio surdo e melancólico do olhar.

Alguns tornam-se riachos e acabam por secar.
Outros agigantam-se e levam-te na torrente.

Nesses dias o corpo deixa de ser corpo
e passa a ser maré viva,
vento norte
tempestade,
luta,
desespero,
naufrágio.

Assim é a vida
e os corpos que nela vivem.
Nuns dias sol,
noutros trovoada.

Por vezes amor, ternura, paixão.
Outras vezes,
vazio,
quase nada,
ilusão.

Meu corpo,
meu rio…
serpenteando nas veredas do sentir
até ao mar dos teus olhos


©Graça Costa
imagem da web



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

TELL ME


Tell me how to bear
the absence of what I didn't have, but already felt?
 
How to silence the bruised skin pain
of another sunset without you?
 
Tell me that yesterday was mirage
and tomorrow will be courage.
 
Tell me fear has no color
and luck has no hurry.
 
Tell me that you will come
that I'll wait
In the curve of the afternoon,
or on the edge of dawn
where do you choose
wherever you want me
I'll wait.
 
Tell me …
and I'll leave the words
crumble on a soft gasp,
In a slight sob
like wave kissing the sand,
and I will stay there
until the turn of the tide
bring your fingers
to my skin.
 

© Graça Costa
 
 

QUE SAUDADE É ESTA ?

Olho os pingos da chuva
como se flocos de saudade fossem
leves e calmos
quase subtis por vezes,
outras, frios e agrestes
como pancadas de morte.

Olho e não vejo
mas intuo
sinto,
sinto muito,
sinto forte esta dor
furiosa como tempestade
ou terna como lençol de maresia.

Que saudade é esta
na pele gravada?

Que dor é esta
que o tempo não lava
e a vida não esquece?

Olho os pingos da chuva,
perdida no tempo do tempo que passa,
revisito os dias
em que o teu assobio malandro
ressoava no horizonte,
recordo o aroma do beijo,
a ternura do afago
e o cansaço no olhar
quando foi tarde demais
para ti,
para nós,
para ficares.

Olhando os pingos da chuva
reparo que a chuva que sinto
é dentro de mim.

Chamo-lhe Saudade
porque não sei dar-lhe outro nome
em mais um dia que passo sem ti.
Pai...

© Graça Costa 

O meu pai faria hoje 81 anos, se fosse vivo - faleceu em 1999 com 62 anos.
Esta é a minha forma de conversar com ele, hoje, no dia de seu nome...


                        



terça-feira, 15 de agosto de 2017

ESPERANDO POR TI

Vestida lua e de espanto esperei por ti.

De sentidos e emoções em riste,
esperei que o vento te trouxesse ate mim
e a maresia fosse o timbre do amor na tua voz.

Envolta em sonhos e sussurros imaginados,
senti o arrepio da pele,
o brilho do olhar,
o sorriso a insinuar-se no rosto
tão cheio de expetativas quanto de enganos.

No entanto…esperei,
presa naquele fragmento de paraíso só meu,
que só tu sentes,
só tu vês,
só tu consegues tornar teu
apenas com a forma como me olhas.

Por ti espero,
neste dossel de noites eternas
embriagado de afectos,
onde a alma ganha voz
como um fado  gemido em êxtase e lamento.

Instantes de magia,
servidos em taças de ternura ;
fusão de pele,
melodias de outono tocadas a quatro mãos.


©Graça Costa
imagem da web






segunda-feira, 7 de agosto de 2017

SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO

De papoilas e trigo vestida
surgiu no horizonte.

Trazia colada na pele
a brisa dourada de um campo alentejano
e parecia flutuar,
valsando numa nota só.

Aproximou-se…
trazia consigo
o aroma de pão acabado de cozer,
despertando a fome de um final de dia
na soleira do luar.

Ele viu-a,
mas não sabia se ousava, ou calava.
Encheu o peito com aquela visão
até o respirar se tornar doloroso.

Sentiu-se sufocar
e no desespero acordou…

Aos pés
encontrou grãos de trigo displicentemente espalhados pela cama.
Junto aos lábios
uma papoila carmim,
viçosa como beijo de amantes.

Sorriu…
e voltou a adormecer
esperando a noite que prometia.


©Graça Costa
imagem da web


sexta-feira, 4 de agosto de 2017

PERFUME DE POESIA

Encontrei um perfume de poesia no teu olhar.

Sem saber como defini-lo
estendi-lhe o sorriso e bebi-o,
lentamente,
em silêncio,
como ritual sagrado.

Saboreei cada trago
com a dolência da paixão imprevista.

Deixei-me levar pelo arrepio da eternidade do momento.

Encontrei um perfume de poesia no teu olhar.

Vieste sem aviso mas com a força de uma maré viva
e eu recebi-te com a ternura de uma onda a beijar a areia.

Sem saber como te responder,
vesti-me de lua
coloquei nos cabelos pétalas de orvalho
e dei-me ao teu olhar em oferenda.

Depois anoiteceu…
e a noite é cúmplice de amantes inquietos.


©Graça Costa
imagem : katiejagielnicka


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

AMANHECER

O amanhecer trouxe-lhe à retina, memórias dos tempos em que o tempo não tinha tempo e a vida era vivida ao segundo, com a intensidade de um nunca mais.
Sentiu saudades desse tempo, em que tecia o tempo com mãos de amante e olhos de artista;
em que no silêncio da noite compunha, a quatro mãos, sinfonias com os tons quentes e suaves de outonos dourados e o sono era embalado pelas carícias que só o amor cúmplice reconhece.
Nesse amanhecer, enquanto o sol rasgava a aurora, sentiu o aroma familiar do amor recente e ficou um pouco mais, saboreando o alimento dos sentidos e a magia do dia que nascia.

Beijinho da Graça

©Graça Costa
imagem da web


quarta-feira, 2 de agosto de 2017

FLUTUANDO

Tem dias que me sinto frágil
como uma borboleta de asas de vidro.
Meio zonza,
rodopio no efémero esplendor
de um pas de deux solitário.
Com a brisa como aliada,
trauteio as notas de um qualquer Nocturno,
e protejo o estilhaçar das asas com o aconchego de um amanhecer,
que imagino suave como pele
de criança recém nascida.
Nesses dias,
quando o sal dos olhos teima em sulcar a pele,
invento um casulo,
macio,
aveludado,
aroma de alfazema,
matizado de brisa e aurora boreal.
E com estas roupagens,
que só eu vejo,
que só eu sinto…
ensaio um sorriso e construo a magia de ser feliz,
mesmo que esteja só…no meio da multidão.
© Graça Costa
imagem da web