quinta-feira, 3 de agosto de 2017

AMANHECER

O amanhecer trouxe-lhe à retina, memórias dos tempos em que o tempo não tinha tempo e a vida era vivida ao segundo, com a intensidade de um nunca mais.
Sentiu saudades desse tempo, em que tecia o tempo com mãos de amante e olhos de artista;
em que no silêncio da noite compunha, a quatro mãos, sinfonias com os tons quentes e suaves de outonos dourados e o sono era embalado pelas carícias que só o amor cúmplice reconhece.
Nesse amanhecer, enquanto o sol rasgava a aurora, sentiu o aroma familiar do amor recente e ficou um pouco mais, saboreando o alimento dos sentidos e a magia do dia que nascia.

Beijinho da Graça

©Graça Costa
imagem da web