terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

NAQUELE DIA

Um sorriso trespassou-lhe o rosto
ao sentir o sol acariciar-lhe o corpo como mãos de amante experiente.

Lenta e dengosamente espreguiçou-se,
rolou sobre si mesma e deixou-se ir.

Adormeceu com a sua imagem na retina.

Com o sabor do seu beijo,
o toque da pele na sua pele,
a magia da fusão dos corpos ao luar.

Adormeceu levando no sono e sonho
o sorriso com que brindara o sol que lhe banhara o rosto.

De repente deixou de saber
se era sonho
sonho
ou vida.

Sabia apenas que sentia
e se sentia tinha que ser verdade.
Enroscou-se naquele corpo
e deixou a magia acontecer.


©Graça Costa