sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

À DESCOBERTA DO AMOR

Parto à descoberta do amor,
com a curiosidade infantil
do desconhecido que ainda há em mim.

Perdi o medo do amor
porque amar é simplicidade.

Deixo fluir os sentidos,
dou se tiver vontade,
quando tiver vontade,
e recebo com carinho
a mão estendida,
a doçura de pele
o beijo lento e sedutor.

Saboreio sem pressas,
a fusão dos corpos que se dissolvem
em maresia e poemas
nas noites rubras de rigorosa invernia.
Saboreio sem pressas
e contemplo o esplendor
do amor que acontece.

©Graça Costa
©Maria Magdalena Oosthuizen