quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

SE

Se a chuva te lamber o rosto,
despe-te de tudo o que é dor,
das angustias,
dos temores,
dos sonhos adiados ,
da fúria,
do desencanto,
despe a roupa,
despe a alma,
e no esplendor da nudez
recebe as gotas da chuva,
como pérolas
no teu corpo.

Depois.
dá-as a beber
qual elixir de esperança,
num amanhã
por inventar.


© Graça Costa
imagem da web