terça-feira, 26 de maio de 2015

EMERGÊNCIA

Serena a noite envolve-me o corpo,
tal como os teus dedos me envolvem os sentidos
e os teus beijos me derretem a pele.

Com mestria de poeta dedilhando as palavras,
desfolhas o meu corpo em flor
que vibra e ondula como seara de trigo em fim de verão.

Emergência dos sentidos.
pele em chama,
tortura,
paixão,
abismo do entardecer.

E no final da noite,
quando o cansaço reclamar silêncio,
que o meu corpo seja chão
e o teu chuva,
para que a manhã traga consigo a semente
dos recomeços eternos.


©Graça Costa