domingo, 28 de maio de 2017

MISTÉRIOS DA PELE

Aguarela de pele,
rugosa
macia
doce
amargurada;
branca
rosada
gritando alarmada.

Solidão de pele na noite aninhada,
braço estendido
voz abafada,
lágrima quente
alma disfarçada.

Mas solta-se a voz
na nudez da noite,
e a pele sorri 
ao vento abraçada
num sorriso meio louco.

Enverga um vestido
esculpido a cinzel
grito de veludo,
carícia
poema,
ou apenas
pele
em textura plena.


©Graça Costa
imagem da web