quarta-feira, 19 de agosto de 2015

NO SILENCIO DA NOITE


No silencio da noite escuto, qual sereia,
o cantar hipnótico do sonhos que construo acordada.

É de noite que ganham vida,
me acordam a voz
sibilante
terna,
por vezes lacrimosa
mas sempre com o apetite de longas conversas sussurradas ao luar.

Noite,
confidente de sorrisos, dores e cansaços.

Amante silenciosa e atenta.
Amiga que na escuridão
me ilumina o peito
com a magia da ilusão.

Nela me revejo.
Com ela te revisito
e na sua cumplicidade 
a ti me entrego,
com a serenidade da nudez
e a fome da esperança 
no amanhã que juntos inventamos


© Graça Costa

                                                                Anita Dewitt