sexta-feira, 14 de agosto de 2015

AQUELE BEIJO


Imaginou-o adocicado,
lento
morno
perdido.

Desenhou-o perfeito
macio
envolvente
como pluma na brisa.

Sentiu-o carente
faminto,
desconcertado,
medroso.

Acariciou-o 
contra o peito
molhou os lábios 
e num impulso quase infantil,
matou-lhe a sede de mel.

Mudou-lhe a vida 
aquele beijo
que hoje tem lar,
lhe ilumina o olhar
e se repete
a cada instante
em que o recorda.

Imaginou-o.
Desenhou-o.
Acariciou-o,
Bebeu-o com a calma e a ternura dos amantes em pressa.

Ah...aquele beijo
tem a nossa história escrita na memória dos dias.
Eterno,
mágico,
tão simples,
tão nosso!!!

©Graça Costa


                                                                  Leonid Afremov