quinta-feira, 18 de junho de 2015

PARAÍSO NO OLHAR

Trazia um vislumbre de paraíso no olhar
e na pele um cansaço de guerreiro.

Dos lábios brotavam carícias
humedecidas pela maresia das noites incertas.

No rosto trazia marcados
 os traços da dor dos dias ausentes  e a saudade…
saudade daqueles olhos
que lhe alimentavam os sentidos
 e eram a estrada que o fazia continuar.

Vislumbre de paraíso
no horizonte da fome e na magia dos sonhos.

Não sabe se chegou ou morreu…
mas no rosto plantou-se um sorriso
e dos olhos brotaram lágrimas como diamantes;
seiva de vida no horizonte da esperança.

Trazia um vislumbre de paraíso no olhar.

Guardou-o no peito
e deixou-se levar pela noite que chegava.


©Graça Costa