quarta-feira, 24 de junho de 2015

ESPERO

Sentada nas memórias da dor, tento sufocar a tua ausência.
Espero que recordes o meu aroma
e que ele te conduza até mim na escuridão da noite
onde imersa em silêncio e sombra espero por ti.

Em prece, rogo que me encontres,
que o caminho te seja leve,
que o teu corpo se abandone ao torpor dos passos
e o instinto da fome te conduza  à lembrança
dos dias em que vinhas de sorriso aberto
e sede nos olhos.

Saudades…
do calor do teu abraço,
dos beijos entrecortados de lágrimas e gemidos,
dos dias noites e das noites dia
das horas que passavam em segundos
e dos segundos que pareciam a eternidade.

Imersa no silêncio da noite, espero.

Espero...
mas não desespero,
porque se o destino não te trouxer, ainda de volta a mim,
tenho tudo o que vivi…
e o que vivi foi tanto !!!



©Graça Costa

                                                                    Lee Bloge