terça-feira, 30 de junho de 2015

FRAGMENTOS DE PARAÍSO

Quando no teu corpo me dissolvo,
mergulho em sabores inesperados.

Não sei se menta, canela,
pimenta, açafrão,
manjerona,
ou alecrim.

Nele viajo
vagabundo,
imerso no êxtase hipnótico que a tua pele me estende.

Não sei se fuja, se arrisque ficar,
se ouse desafiar os limites desse corpo que conheço
e desconheço,
que me chama e me recusa,
me aprisiona os sentidos.

Quando no teu corpo me dissolvo,
o medo consome-me o ser.

Sinto-me frágil como borboleta de asas rasgadas.

Contigo, sou fragmento de paraíso.
Sem ti...
sem ti, nem sei bem o que serei.


©Graça Costa


                                                           Dimosthenis Prodromou