sexta-feira, 2 de junho de 2017

EVASÃO

Deixou cair o olhar num vazio impreciso
meio loucura, meio mar,
frágil como um corpo nu ao romper da aurora,
após mais uma noite entre pesadelo e sonho.

Enleou os olhos na paisagem,
e deixou-os vaguear
perdidos no horizonte
em passos incertos,
como se o dia que raiava trouxesse prenúncio de morte.

Banhada em nostalgia,
truncada pela saudade de uma amor que nunca foi chão,
passeou pela orla do mar,
deixando a espuma das ondas tocar-me o corpo
como se fossem mãos.

Fechou os olhos, fingiu sentir o êxtase do amor por fazer
e fez-se maré levada pelo nevoeiro.

O coração dizia-lhe que estava muito para além da saudade
e o que sentia não tinha nome.

Serenidade, nostalgia,
amor, paixão, magia ?

Lançou tudo às ondas
e na orla da praia esperou
o que o mar lhe traria de volta.

Esperou …
e imaginou que nome lhe daria.

©Graça Costa
foto da web - autor desconhecido