sexta-feira, 14 de outubro de 2016

A NASCER-ME NA PELE


Sinto a poesia a nascer-me na pele,
a iluminar-me o olhar ,
e a queimar-me o sentir
como sol de verão.

Sinto o poema
desflorando a madrugada rumo aos meus dedos,
com alma
suor
e sangue
de um alfabeto por inventar.

Emoções e afectos feitas palavras,
ora quentes
ora serenas
ora lamento
ora gemido,
quase prece,
quase dor,
sensuais como beijo
dolorosas como noite de solidão.

Sinto a poesia a crescer-me na pele.

Toco-a ao de leve
e torno-a minha.

Salpico-a com perfume de amante inquieta
e de alma aberta,
partimos ambas ao encontro dos dias,
por ora, apenas sonhados
mas já amados
de tanto sentidos.

©Graça Costa
imagem da web