quarta-feira, 19 de julho de 2017

VIDA OU SONHO?

O ondular dos corpos reflectidos na parede, acompanhado pelo marrulhar de gemidos surdos e lamentos longos, conferiam ao entardecer uma atmosfera quase mágica.
Na ombreira do sonho, de olhar preso no nada onde podia escrever quase tudo, ia tecendo o tempo com a delicadeza do efémero e a certeza da eternidade na ponta dos dedos.
Acompanhava o ondular dos corpos reflectidos na parede com aromas de festa e nostalgia e se a palavra por vezes emudecia, era porque o olhar falava muito mais do que devia.
Naquele entardecer que anoitecia, viu o êxtase crescer de mansinho, guiado pelas mãos do prazer sem tempo nem regra; pela inquietação das lágrimas repletas de sorrisos e pelos sorrisos banhados pela maresia da paixão.
Depois dormiu, sem saber se vira ou se sonhara; se sonhara ou se vivera.
Não sabia, nem quis saber porque o sabor a espanto era quente e suave como embalo ... e deixou-se ir.
©Graça Costa