terça-feira, 18 de julho de 2017

ALMA

Tem dias em que pergunto às estrelas
qual a cor da Alma,
qual a a textura
o cheiro,
o semblante,
o matiz.

Imagino-a conforme o sabor dos dias
leve ou sombria,
doce ou matizada pelas especiarias do tempo.

No espelho do fim da tarde
contemplo o seu voar,
sinto-a a amarar no peito,
limpo-a das amarguras e dores,
cubro-a com os cristais estrelados da noite,
e embalo-a com carinho de mãe.

Depois, com pinceladas fortes mas serenas
estendo-lhe o sono,
como presente de paz.


©Graça Costa
imagem da web