sábado, 25 de fevereiro de 2017

VEM

Anda ver as estrelas.
As que brilham lá longe
e as que me mareiam os olhos.

Vê como brilham na escuridão
como pirilampos assustados
em busca de colo.

Anda.
Abraça-me devagar.
Deixa-me sentir o calor da pele,
o arrepio pelo toque de outra pele;
e  deixa que a noite venha
cúmplice silenciosa
de fantasias e outras ternuras.

Anda.
Dou-te a minha paz e a minha loucura,
o meu querer,
e os meus desejos,
por inteiro,
para que os decifres.

Anda,
Adivinha-me o sentir
e atreve-te a  ficar.

©Graça Costa
imagem da web