terça-feira, 27 de setembro de 2016

FRAGMENTOS


Trago fragmentos de poesia soltos nos cabelos.
Aromas de palavras ditas e de outras por dizer
pedaços de afecto colados na pele,
escorregando devagar até aos dedos
na esperança de que os deixe voar.
Nem sempre as deixo partir…
Tem dias em que preciso delas só para mim
como água de uma qualquer fonte-mãe,
redentoras,
âncora dos meus medos.
Noutros dias deixo-as ir…
espalhar fragâncias de afectos partilhados
envolver-se em bailados de mãos
corpos, olhares e sorrisos
envoltos em brisa de fim de tarde .
Trago fragmentos de poesia soltos nos cabelos.
Pedaços de mim,
lançados ao amanhecer.
©Graça Costa
imagem de Web