domingo, 22 de maio de 2016

ÉPICO

Seda,
cetim,
veludo,
brocado,
marfim.
Não sei como dizer a tua pele.
Esse mar onde me perco e me encontro,
onde me invento e descanso.
Essa pele que me fala,
mansa e docemente numa língua por inventar
mas que me entende e responde
com a languidez do olhar.
Não sei como dizer o teu aroma de jardim silvestre,
mar revolto,
terra lavrada,
oriente mágico, quase alucinante.
Não sei.
Não sei, mas sinto o épico deste sentir,
a ternura deste saborear-te,
sem ter que te dar um nome.

©Graça Costa
imagem da web